Autocracia burguesa e bolsonarismo: um ensaio

Conteúdo do artigo principal

Pedro Henrique Antunes da Costa
Kíssila Teixeira Mendes

Resumo

No ensaio, analisamos o recrudescimento da autocracia burguesa no atual estágio de desenvolvimento do capitalismo dependente brasileiro. Para isso, dialogamos com as contribuições de Florestan Fernandes e Octavio Ianni e outros importantes autores da tradição marxista do pensamento social brasileiro, de modo a apreender aspectos nevrálgicos de nossa formação social e analisar tal recrudescimento autocrático sobretudo nas políticas sociais, sistema penal e segurança pública. Temos a Nova República (NR) como período de expansão lenta e gradual da autocracia burguesa nos moldes do capital-imperialismo e neoliberalismo. O bolsonarismo se desenvolve nos marcos democrático-burgueses da NR, explicitando esse caráter autocrático, manifestando o seu aguçamento e o recrudescendo. Analisando a tríade das políticas sociais, segurança pública e sistema penal, concluímos que, atrás de véus democráticos, não só tinha continuidade a normalidade autocrática do capitalismo dependente brasileiro, como essa se sofisticava e recrudescia, sendo o bolsonarismo expressão e conformador desse processo.

Detalhes do artigo

Seção
Artigos

Referências

ARCARY, V. Um reformismo quase sem reformas: uma crítica marxista do governo Lula em defesa da revolução brasileira. São Paulo: Editora Sundermann, 2014.
BEHRING, E. R. Estado no Capitalismo: notas para uma leitura crítica do brasil recente. In: BOSCHETTI, I.; BEHRING, E. R; LIMA, R. L. (orgs.). Marxismo, política social e direitos. São Paulo: Cortez Editora, 2018. p. 39-72.
BOITO JR., A. A burguesia, o “lumpesinato” e o governo Bolsonaro. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/04/21/artigo-or-a-burguesia-o-lumpesinato-e-o-governo-bolsonaro/. Acesso em: 17 jun. 2020.
BRASIL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Atualização - Junho de 2017. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2019.
CASTELO, R. O social-liberalismo: uma ideologia neoliberal para a “questão social” no século XXI. 2010. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.
CASTELO, R. Crise conjuntural e (re)militarização da “questão social” brasileira. Margem Esquerda, São Paulo, n. 23, p. 46-51, 2014.
CHAGAS, R. P. Florestan Fernandes: a autocracia burguesa como estrutura histórica e a institucionalização da contra-revolução no Brasil. 2011. Dissertação (Mestrado em História Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.
CRUZ, A. V. H.; MINCHONI, T.; MATSUMOTO, A. E.; ANDRADE, S. S. A ditadura que se perpetua: direitos humanos e a militarização da questão social. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 37, n. spe, p. 239-252, 2017.
DEMIER, F. Depois do Golpe: A dialética da democracia blindada no Brasil. Rio de Janeiro, Mauad, 2017.
FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Globo, 2006.
FERNANDES, F. Nova república? Rio de Janeiro: Zahar, 1986.
FONTES, V. O Brasil e o capital imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.
FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. São Paulo: FBSP, 2019.
IANNI, O. A ditadura do grande capital. São Paulo: Expressão Popular, 2019.
MACIEL, D. Florestan Fernandes e a questão do transformismo na questão do transformismo na transição democrática brasileira. Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina, p. 102-112, 2011.
MARINI, R. M. Dialética da dependência. Germinal: Marx. e Educ. em Debate, Salvador, v. 9, n. 3, p. 325-356, 2017.
MARX, K. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.
MARX, K. O Capital. Crítica da Economia Política. Livro 1. O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.
MAZZEO, A. C. Estado e burguesia no Brasil: origens da autocracia burguesa. São Paulo: Boitempo, 2015.
MEDEIROS, M.; SOUZA, P. H. G. F.; CASTRO, F. A. A estabilidade da desigualdade de renda no Brasil, 2006 a 2012: estimativa com dados do imposto de renda e pesquisas domiciliares. Cien. Saude Colet., Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 971-986, 2015.
MOURA, C. Sociologia do negro no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, 2019.
PRADO JR., C. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Cia das Letras, 2011.
REDE DE OBSERVATÓRIOS DA SEGURANÇA. Operações policiais no RJ durante a pandemia: frequentes e ainda mais letais. Disponível em: http://observatorioseguranca.com.br/wp-content/uploads/2020/05/Operac%CC%A7o%CC%83es-policiais-no-RJ-durante-a-pandemia.pdf. Acesso em 17 jun. 2020.
SAMPAIO JR., P. A. Entre a nação e a barbárie: os dilemas do capitalismo dependente em Caio Prado, Florestan Fernandes e Celso Furtado. 1997. Tese (Doutorado em Economia) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.
SILVA, S. M. P.; FRANÇA, M. H. O.; MACIEL, V. V. Conservadorismo como instrumento capitalista em tempos de barbárie. R. Katál., Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 256-265, 2020.
WACQUANT, L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Revan, 2003.