Economia e saúde aproximações para uma abordagem da economia política crítica marxista

Conteúdo do artigo principal

Leonardo Carnut
Jonas Sona de Miranda Pires
Áquilas Mendes

Resumo

Este artigo caminha, tentando demonstrar que há diferenças entre ‘Economia da Saúde’ e ‘Economia Política da Saúde’, realizando a defesa de uma abordagem crítica marxista no ensino de economia da saúde. Para isso, optou-se pela modalidade textual tipo ensaio crítico, dividido em três seções. Uma primeira seção delineia o que se convencionou entender como ‘Economia da Saúde’. A segunda seção trata do caminho da ‘Economia Política’ à ‘Economia Política da Saúde’. A terceira seção foca na constituição da ‘Economia da Saúde’ no Brasil e sua submissão à teoria econômica neoclássica. Por fim, traça-se considerações sobre como conduzir o ensino de economia da saúde para defesa do direito à saúde e do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil.

Detalhes do artigo

Seção
Artigos

Referências

BERTOLOZZI, Maria Rita; GRECO, Rosângela Maria. As políticas de saúde no Brasil: reconstrução histórica e perspectivas atuais. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 30, n. 3, p. 380-98, 1996.
BOSCHETTI, Ivanete. Assistência social e trabalho no capitalismo. São Paulo: Cortez, 2016.
BRAGA, José Carlos de Souza; PAULA, Sérgio Goes de. Saúde e Previdência. Estudos de Política Social. São Paulo: HUCITEC, 1981.
CARNUT, Leonardo; MENDES, Áquilas. Pensamento econômico e a questão da saúde: A contribuição de Braga e Paula para (re)pensar ‘o econômico’ na saúde. In: VII Congresso Online de Gestão, Educação e Promoção da Saúde, 2018, São Paulo – SP, v. 7. p. 1-14.
COUTINHO, Carlos Nelson. Hegemonia da pequena política. In: OLIVEIRA, Francisco de; BRAGA, Ruy; RIZEK, Cibele. Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010. p. 29-43.
FILGUEIRAS, Luiz; MEARMAN, Andrew John. Economia política versus economia positiva: proposta de um antimanual de introdução à economia. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 14, n. 50, p. 142-164, 2018.
GADELHA, Carlos Augusto Grabois. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 521-535, 2003.
HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.
KON, Anita. Sobre a economia política do desenvolvimento e a contribuição dos serviços. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 130-146, 2007.
MARSHALL, Alfred. Princípios da economia, volume 1. Editora Nova Cultural, São Paulo, 1996.
MATTOS, Marcelo Badaró (org.). Estado e formas de dominação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequencia, 2017.
MENDES, Áquilas e col. A contribuição do pensamento da saúde coletiva à economia política da saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 841-860, 2017.
______. O subfinanciamento e a mercantilização do SUS no contexto do capitalismo contemporâneo em crise. In: II Seminário Nacional de Teoria Marxista: O capitalismo e suas crises, 2015.
MENEZES, Ebenezer Takuno; SANTOS, Thais Helena. Verbete MEC/USAID. Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: . Acesso em: 02 de jun. 2018.
MOLLO, Maria de Lourdes Rollemberg. A teoria marxista do valor-trabalho: divergências e convergências. Crítica Marxista, Campinas, n. 37, p. 47-66, 2013.
MORAES, Thiago Perez Bernardes de; TORRECILLAS, Geraldo Leopoldo da Silva. Por uma nova economia política: notas críticas à teoria neoclássica, ao direito econômico e à política econômica. Uma contribuição epistemológica para os preceitos de globalização contemporânea. Revista de Direito Público da Economia, v.11, n. 41, p. 227-238, 2013.
NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2006.
OCKÉ-REIS, Carlos Octávio. SUS: o desafio de ser único. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.
PADULA, Raphael. Economia Política Internacional da Saúde, autonomia estratégica e segurança nacional. Rev. Carta Inter., Belo Horizonte, v. 12, n. 2, 2017, p. 174-196.
PRADO, Eleutério Fernando da Silva. A ortodoxia neoclássica. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 41, p. 9-20, 2001.
SESTELO, José Antônio de Freitas. Planos de saúde e dominância financeira. Salvador: EDUFBA, 2018. 397p.
TEIXEIRA, Adriano Lopes Almeida. O lugar dos economistas clássicos na crítica da economia política de Marx: uma abordagem metodológica. XI Congresso Brasileiro de História Econômica, 2015, Vitória, Espírito Santo. Acesso em 10, mar 2019. Disponível em: http://www.abphe.org.br/arquivos/2015_adriano_lopes_almeida_teixeira_o-lugar-dos-economistas-classicos-na-critica-da-economia-politica-de-marx-uma-abordagem-metodologica_1.pdf
VIANA, Ana Luiza D’Ávila; SILVA, Hudson Pacífico; ELIAS, Paulo Eduardo Mangeon. Economia política da saúde: introduzindo o debate. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 37, p. 7-20, janeiro 2007.
VIANA, Ana Luiza D’Ávila; BAPTISTA, Tatiana Vargas de Faria. Análise de políticas de saúde. In: GIOVANELLA, Lígia et al (org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2ª. reimpressão. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012. p. 59-88.