Movimentos sociais “clássicos”, “contemporâneos” e relevância da estratégia socialista

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Victor Neves

Resumo

O artigo examina a tese que contrapõe movimentos sociais “clássicos” e “contemporâneos”, ou “velhos” e “novos”. Pondera-se nele a relação contraditória entre, de um lado, a variedade e o polimorfismo dos movimentos sociais, e, de outro, traços em comum, resgatando elementos para a crítica marxista dessa contraposição. A partir desse prisma, consideram-se relações de competitividade entre diferentes movimentos sociais. Nesse ponto ganha relevo o problema da relação entre movimento social, classes sociais, projetos societários e estratégias de transformação do ordenamento social vigente, abraçados por diferentes aparelhos privados de hegemonia e intelectuais organicamente vinculados às classes em luta. Finalmente, prospectam-se caminhos para a reafirmação da pertinência da estratégia socialista, em sua relação com “novos” e “velhos” movimentos sociais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Victor Neves, NEPEM/UFRJ

Victor Neves possui bacharelado em Música/Composição pela UFRJ (2007). Cursou o mestrado na Escola de Serviço Social da UFRJ, tendo como orientador o professor dr. emérito José Paulo Netto e como tema de pesquisa a política cultural recente no Brasil. Cursou o doutorado na mesma instituição, tendo por eixos o pensamento político brasileiro e a sociologia do intelectual. A pesquisa, orientada pelo prof. dr. Mauro Luis Iasi, contou com estágio de 12 meses na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, em Paris (EHESS / Paris), supervisionado pelo prof. dr. emérito Michael Löwy, e teve por resultado a tese "Democracia e revolução: um estudo do pensamento político de Carlos Nelson Coutinho", que foi agraciada com o grau 10, com louvor e indicação para publicação.

Foi professor substituto na UFRJ entre 2012 e 2013 e livre-pesquisador na EHESS / Paris entre 2013 e 2014. É autor de capítulos de livros e de artigos, dentre os quais se destacam os publicados em revistas como "Marx e o Marxismo" e "Praia Vermelha", assim como a organização, em 2016, do dossiê sobre o pensamento de Carlos Nelson Coutinho para o site Marxismo21. Desde setembro de 2015 é assessor político do Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro.

Principais áreas de interesse: teoria política, crítica da cultura e crítica da economia política.

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4774298Z8

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. 11ª edição. São Paulo / Campinas: Cortez / EdUNICAMP, [1995] 2006.
________. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, [1999] 2015.

ARENDT, H. The origins of totalitarianism. Cleveland: World Publishing Company, [1951] 1958.

BENSAÏD, D. La discordance des temps : essais sur les crises, les classes, l’histoire. Paris : Éditions de La Passion, 1995.

BLOCH, M. Apologia da história, ou, O ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, [1949] 2001.

BONNET, A. Feminismo, política, transformação social, história das mulheres e luta sindical na França dos anos 1960-1970. Crítica e Sociedade, v. 05, n. 02, jun. 2016.

BOUCHER, J. Les mouvements sociaux : réflexion à partir des théories de l’action collective et de la régulation. Études Théoriques (col.), 9003. Québec : CRISES, 1990.

CHRISTOFFERSON, M. S. Les intellectuels contre la gauche : l’idéologie antitotalitaire en France (1968-1981). Marseille : Agone, [2004] 2014.

CLAUDÍN, F. The communist movement from Comintern to Cominform. Part One. New York / London: Monthly Review Press, [1970] 1975.
________. A crise do movimento comunista. Vol. 2. São Paulo: Global, [1970] 1986.

COELHO, E. Uma esquerda para o capital. Tese de Doutorado. Niterói: PPGH-UFF, 2005.

DIAS, E. F. Revolução passiva e modos de vida: ensaio sobre as classes subalternas, o capitalismo e a hegemonia. São Paulo: Sundermann, 2012.

EVANGELISTA, J. E. Teoria social pós-moderna. Porto Alegre: Sulina, 2007.

FONTES, V. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV / Editora UFRJ, 2010.
________. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o marxismo, v. 3, nº 8, , pp. 45-67, jan./jun. de 2017.

FRANK, A. G.; FUENTES, M. Nine Theses on Social Movements. Economic and political weekly. Vol. 22, n 35, pp. 1503-1510. s.l.: agosto de 1987.

FURET, F. Le passé d’une illusion. Essai sur l’idée communiste au XXème siècle. Paris : Robert Laffont, 1995.

GLUCKSMANN, A. Les maîtres penseurs. Paris : Grasset, 1977.

GOHN, M. G. Teorias dos novos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, [1997] 2008.

GOLDMANN, L. Ciências humanas e filosofia. São Paulo: DIFEL, 1967.

GRAMSCI, A. Quaderni del Carcere. Edizione Critica a cura di Valentino Gerratana. 4 vol., Seconda Edizione. Torino: Einaudi, [1929-35] 1977.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, [1989] 2007.

HUSSON, M. Un pur capitalisme. Lausanne: Page 02, 2008.

IASI, M. O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência. São Paulo: Boitempo (Viramundo), 2002.
________. As metamorfoses da consciência de classe. São Paulo: Expressão Popular, [2006] 2012.

IASI, M.; FIGUEIREDO, I.; NEVES, V. (orgs.). A estratégia democrático-popular: um inventário crítico. Marília: Lutas Anticapital, 2019.

LÉVY, B-H. La barbarie à visage humain. Paris : Grasset, 1977.

LOSURDO, D. Para uma crítica da categoria de totalitarismo. Revista Crítica Marxista, 17, [2002] 2003.

LÖWY, M.; BENSAÏD, D. Marxismo, modernidade, utopia. São Paulo: Xamã, 2000.

LUKÁCS, G. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, [1923] 2003.

MANDEL, E. O capitalismo tardio. 2ª edição. São Paulo: Nova Cultural, [1972] 1985.

MARTINS, C. Teorias dos Novos Movimentos Sociais e lutas de classes: uma leitura crítica de sua influência no Brasil. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: ESS-UFRJ, 2016.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Boitempo, [1848] 2005.

MARX, K. O Capital: crítica da Economia Política. Livro I, vols. 01 e 02. São Paulo: Nova Cultural, [1867] 1996.

MATTOS, M. B. A classe trabalhadora: uma abordagem contemporânea à luz do materialismo histórico. Revista Outubro, nº 21, 2º semestre de 2013.
________. A classe trabalhadora de Marx ao nosso tempo. São Paulo: Boitempo, 2019.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, [2002] 2011.

NEVES, V. Democracia e socialismo: Carlos Nelson Coutinho em seu tempo. Marília: Lutas Anticapital, 2019.

SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970-80. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SADER, E.; PAOLI, M. C. Sobre “classes populares” no pensamento sociológico brasileiro. In: CARDOSO, Ruth (org.). A aventura antropológica. Teoria e Pesquisa. Pp. 39-67. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. Porto: Afrontamento, [1994] 1999.
________. Reinventar la democracia, reinventar el Estado. Madrid, Sequitur, 1999.

SCHERER-WARREN, I.; KRISCHKE, P. (org.). Uma revolução no cotidiano? Os novos movimentos sociais na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1987.

SECCO, L. História do PT. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: EdUNICAMP, 2001.

TOURAINE, A. The post-industrial society. New York: Random House, 1971.