Capitalismo, sujeito moderno e corporativismo identitário

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Douglas Santos Alves

Resumo

A emergência das sociedades capitalistas demandou o processo de modernização política que criou as bases para a expansão da burguesia como classe dirigente e dominante. Essas bases determinaram a separação entre Estado e sociedade, público e privado e uma concepção particular de sujeito que se universalizou na figura do cidadão. A hegemonia do sujeito moderno definiu igualmente os subalternos como grupo silenciado. Na relação de tensão entre a universalidade formal que se impõe como hegemônica e as particularidades reais que definem a subalternidade, as identidades se estabelecem como forma de atuação política e quebra do monopólio de fala autorizada do sujeito hegemônico. A estratégia de contraposição dos elementos particulares contra a universalidade formal caracteriza o que se pode chamar de corporativismo identitário, como momento no processo de constituição do sujeito “para si”.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

BIANCHI, Álvaro. O laboratório de Gramsci: filosofia, história e política. São Paulo: Alameda, 2008.

DEL ROIO, Marcos. Gramsci e as Ideologias Subalternas. In. DEL ROIO, Marcos (org.). Gramsci: Periferia e Subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017. p. 41-64.

DIAS, Edmundo Fernandes. Hegemonia: racionalidade que se faz história. In: DIAS, Edmundo Fernandes et al. O outro Gramsci. São Paulo: Xamã, p. 9-80, 1996.

_____ Como Pode o Subalterno Falar? In. DEL ROIO, Marcos (org.). Gramsci: Periferia e Subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017. p. 65-88.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2005.

LÖWY, Michael. A teoria da revolução no jovem Marx. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, Karl. A crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010a.

______ .Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010b

MÉSZÀROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2016.

POGREBINSCHI, Thamy. Jovem Marx, Nova Teoria Política. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 49, n o 3, 2006, p. 537 a 552.

SEMERARO, Giovanni. O protagonismo das Periferias e dos Subalternos na Alternativa Desenhada por Gramsci. In. DEL ROIO, Marcos (org.). Gramsci: Periferia e Subalternidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017. p. 107-126.

WOOD, Ellen M. Democracia contra o capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2003.