As revoltas por democracia socialista no “bloco soviético” e as transformações do stalinismo (1953-56)

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcio Lauria Monteiro

Resumo

Após a Segunda Guerra Mundial, a URSS expandiu para o Leste Europeu seu modelo econômico e social de uma sociedade de transição entre capitalismo e socialismo dotada de um regime de ditadura da burocracia (stalinismo), formando assim o "bloco soviético". Após a morte de Stalin, a burocracia necessitou realizar concessões como forma de evitar uma revolta. Isso originou um "novo curso", de suposta "de-stalinização". As mudanças geraram conflitos na cúpula de muitos regimes, entre “conservadores” e “reformadores”. Dotadas de grandes expectativas por mudanças, entre 1953-56, a classe trabalhadora e setores da intelectualidade de diferentes países aproveitaram a situação para demandar uma genuína democracia socialista, através de revoltas ou mesmo revoluções, só parcial e temporariamente contidas após a brutal repressão da Revolução Húngara. Esse conjunto de eventos é central para a compreensão das contradições dessas formações sociais, e para melhor compreender seu colapso no final dos anos 1980.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Marcio Lauria Monteiro, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense

Mestre e doutorando em História Social pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense e bolsista pelo CNPq

Referências

BEREND, Ivan. Central and Eastern Europe, 1944-1993: Detour from the periphery to the periphery. New York: Cambrigde University Press, 1996.
BROUÉ, Pierre. “La revolución de los consejos obreros” [1956]. In YANG, Elizabeth Ingrid (ed.). Hungría del ’56: revoluciones obreras contra el stalinismo. Buenos Aires: Ediciones del IPS, 2006.
BROUÉ, Pierre. União Soviética da revolução ao colapso [1996]. Porto Alegre: UFRGS, 1996.
BROWN, Archie. Rise and Fall of Communism. New York: Harper Collins, 2009.
CLAUDÍN, Fernando. A oposição no “socialismo real”: União Soviética, Hungria, Polônia, Tcheco-eslováquia, 1953-80 [1981]. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.
CRAMPTON, R. J. Eastern Europe in the Twentieth Century - and After [1994]. New York: Routledge, 1997.
DALE, Gareth. 17 de junio de 1953 [17/06/2017]. Disponível em https://www.vientosur.info/spip.php?article12755. Acessado em 02/02/2019.
GERMAIN, E. [Ernest Mandel]. Le soulevement ouvrier en Allemagne Orientale. Quatrième Internationale, n. 62, juillet 1953.
KRAMER, Mark. The Early Post-Stalin Succession Struggle and Upheavals in East-Central Europe: Internal-External Linkages in Soviet Policy Making (Part 1). Journal of Cold War Studies, vol 1, n. 1, 1999, 16-22.
KRAMER, Mark. The Soviet Union and the 1956 Crises in Hungary and Poland: Reassessments and New Findings. Journal of Contemporary History, v. 33, n. 2, April 1998.
MONTEIRO, Marcio Antonio Lauria de Moraes. O movimento trotskista internacional e as revoluções do pós-guerra: uma análise de suas (re)leituras teóricas e programáticas (1944-1963). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Programa de Pós-Graduação em História, p. 1380141, março de 2016.
MONTEIRO, Marcio Lauria. As análises de Trotski sobre a URSS e o stalinismo. Verinotio - Revista on-line de Filosofia e Ciências Humanas, v. 23, n. 2, ano XII, p. 176-207, nov. 2017.
NAGY, Bálasz. “La actualidad del Programa de Transición” [1966]. In YANG, Ingrid (ed.). Hungría del ’56: revoluciones obreras contra el stalinismo. Buenos Aires: Ediciones del IPS, 2006.
PELZ, William. A People’s History of Modern Europe. London: Pluto, 2016.
SPRENGER, William. E. German Workers Shake Party Bosses. Struggles Reaching New Heights. Socialist Outlook, n. 88, p. 1, 4, July 17, 1953.
TROTSKY, Leon. A Revolução Traída. O que é e para onde vai a URSS [1936]. São Paulo: Sundermann, 2005.