Para um entendimento realista d’O engenhoso fidalgo D. Quixote de La Mancha

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Álvaro Martins

Resumo

Este trabalho constitui o produto de um estudo sobre apreciação teórica da obra mais conhecida de Miguel de Cervantes, e seu objetivo é formular uma base para uma interpretação marxista e realista desse romance. Para isso, em primeiro lugar, examinamos algumas correntes interpretativas importantes em circulação, apontando alguns de seus limites conforme os critérios dessa própria bibliografia. Na sequência apresentamos um referencial teórico literário a partir de obras de Antônio Cândido e György Lukács. Por fim, defendemos uma diretriz de interpretação a partir de Marx e da obra tardia de Lukács que procura não corromper o sentido original da obra e, ainda assim, tirar consequências importantes para a contemporaneidade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

CÂNDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade: estudos de teoria e história literária (6ª Ed.). São Paulo: Ed. Nacional, 1980.
CERVANTES, Miguel de. O engenhoso fidalgo D. Quixote de La Mancha (Primeiro Livro). Tradução de Sérgio Molina. São Paulo: Editora 34, 2010.
COUTINHO, Carlos Nelson; NETTO, José Paulo, Apresentação. In: LUKÁCS, György. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.
DUAYER, Mario; ESCURRA, Fernanda; SIQUEIRA, Andrea. A ontologia de Lukács e a restauração da crítica ontológica em Marx. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 16, n.1, p. 17-25, jan-jun 2013.
EAGLETON, Terry. How to read Literature. New Haven and London: Yale University Press, 2013.
GALLO, Renata Altenfelder Garcia. “A teoria do romance” e “O romance como epopeia burguesa”: um estudo comparado da concepção de Romance em Georg Lukács. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP [s.n.], 2012, 135 p.
GOBBI, Márcia. V. Z. A narrativa sócio-histórica: apontamentos teóricos e metodológicos. In: LEONEL, M. C.; GOBBI, M. V. Z. (Orgs.). Modalidades da Narrativa. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013, p. 113-134.
LUKÁCS, György. O Trabalho. In: ________. Para uma ontologia do ser social vol. II. Tradução de Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2013.
LUKÁCS, György. O romance como epopeia burguesa. In: _______. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.
MARX, Karl. A Ideologia Alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Tradução de Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.
MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política, Livro I. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo, Boitempo Editorial, 2013
REIS, Livia; TROUCHE, André (Orgs.). Dom Quixote: utopias. Niterói: EdUFF, 2005.
SAVINI, T. Expandiendo la comprensión de Don Quixote: Un Análisis Marxista. El Ingenioso, Vol. 1, issue 1, 2016.
VIEIRA, Maria Augusta. Apresentação de Dom Quixote. In: CERVANTES, M. de. O engenhoso fidalgo D. Quixote de La Mancha (Primeiro Livro). Tradução de Sergio Molina. São Paulo: Editora 34, 2010.
VIEIRA, Maria Augusta. O mito de Dom Quixote no Brasil e algumas reescrituras cervantinas. Revista Araticum, v. 7, n. 1, 2013, p. 61-73.
WOODS, Alan. The 400th anniversary of Don Quixote: Spain in the age of Cervantes (Part two). Disponível em: Acesso em: 28/10/2018.