Filosofia ética e forma ética em Kant uma interpretação marxista

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Pablo Biondi

Resumo

Este artigo apresenta uma tentativa de se demonstrar que a filosofia ética kantiana não é meramente um dos múltiplos sistemas conceituais do século dezoito, mas a mais avançada manifestação teórica da sociabilidade capitalista ascendente. Seguindo a proposição de Evgeni Pachukanis, a ética de Kant é uma expressão de uma forma ética burguesa, tal como o direito pode ser concebido como uma forma social capitalista. Isso significa que tanto a ética como o direito são categorias lógica e historicamente derivadas do modo capitalista de produção, contendo suas determinações e características sociais mais expressivas. Podemos perceber a íntima conexão entre as ideias kantianas e a modernidade burguesa ao fazermos uma análise marxista de seu profundo individualismo e de seus conceitos éticos elementares.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

BIONDI, P. Dos direitos sociais aos direitos de solidariedade: elementos para uma crítica. São Paulo: LTr. 2017a.
_______. “Não fale em crise, trabalhe”: sobre a ideologia do trabalho. Revista Direitos, Trabalho e Política Social, n. 4, v. 3, p. 90-110. 2017b.
_______. Paz perpétua e liberalismo: Kant e seu momento histórico. In: MENEZES, W. (org.). Direito internacional clássico e seu fundamento. Belo Horizonte: Arraes Editores. 2014.
EDELMAN, B. La transition dans la “Doctrine du Droit” de Kant. La Pensée, n. 167, p. 39-60. 1973.
_______. O direito captado pela fotografia: elementos para uma teoria marxista do direito, tradução de Soveral Martins e Pires de Carvalho. Coimbra: Centelha. 1976.
KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes, tradução de Paulo Quintela. São Paulo: Abril Cultural. 1974.
_______. La metafísica de las costumbres, traducción de Adela Cortina Orts y Jesus Conill Sancho. Madri: Tecnos. 2008.
_______. Textos seletos, tradução de Raimundo Vier e Floriano de Sousa Fernandes. Petrópolis: Vozes. 1985.
KASHIURA, C. Sujeito de direito e capitalismo. São Paulo: Outras Expressões, Dobra Universitário. 2014.
LOCKE, J. Segundo tratado do governo civil: ensaio sobre a origem, os limites e os fins verdadeiros do governo civil, tradução de Magda Lopes e Marisa Lobo da Costa. Petrópolis: Vozes. 2001.
MARX, K. Contribuição à crítica da economia política, tradução de Florestan Fernandes. São Paulo: Expressão popular. 2008.
______. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política, tradução de Mario Duayer e Nélio Schneider (colaboração de Alice Helga Werner e Rudiger Hoffman). São Paulo: Boitempo. 2011.
______. O capital: crítica da economia política, l. I, t. I, tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural. 1996a.
______. O capital: crítica da economia política, l. I, t. II, tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural. 1996b.
______. O capital: livro I, capítulo VI (inédito), tradução de Eduardo Sucupira Filho. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas. 1978.
NAVES, M. A questão do direito em Marx. São Paulo: Outras Expressões; Dobra. 2014.
PACHUKANIS, E. A teoria geral do direito e o marxismo e Ensaios escolhidos (1921-1929), tradução de Lucas Simone. São Paulo: Sundermann. 2017.
POSTONE, M. Tempo, trabalho e dominação social: uma reinterpretação crítica de Marx, tradução de Amilton Reis e Paulo Cézar Castanheira. São Paulo: Boitempo. 2014.
RUBIN, I. A teoria marxista do valor, tradução de José Bonifácio de S. Amaral Filho. São Paulo: Polis. 1987.
SANDEL, M. Justiça: o que é fazer a coisa certa, tradução de Heloísa Matias e Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2012.
SINGER, P. Practical ethics. Cambridge: Cambridge University Press. 1993.
SOHN-RETHEL, A. Intellectual and manual labour: a critique of epistemology. London and Basingstoke: Macmillan Press. 1978.