As concepções de ruptura revolucionária em Immanuel Wallerstein e Ruy Marini em perspectiva comparada

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raphael Lana Seabra

Resumo

Nos últimos anos os debates ao redor da teoria da dependência e da análise dos sistemas-mundo têm crescido substancialmente no Brasil. São muito interessantes as discussões suscitadas no país ao redor da convergência/divergência entre as duas correntes de pensamento. Nesse sentido, o presente texto coloca como objetivo central comparar a concepção de ruptura revolucionária de Immanuel Wallerstein com a de Ruy Mauro Marini, os principais expoentes das correntes acima mencionadas. Consideramos que se trata de uma das questões mais polêmicas, mas também a menos debatida.  Tal debate só é compreensível tendo em mente os referenciais teóricos e metodológicos de ambos os autores. De tal modo, o texto inicialmente passa pela apresentação do modo como cada autor concebe a transformação revolucionária, para ao final compará-las e avaliar as consequências políticas de uma aproximação teórica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

AGUIRRE ROJAS, Carlos Antonio. Immanuel Wallerstein: crítica del sistema-mundo capitalista. Ciudad de México: Ediciones Era, 2003.
ARRIGHI, Giovanni. Global inequalities and the legacy of dependency theory. Radical Philosophy Review. 5 (1/2), p.75-85, 2002.
LUXEMBURGO, Rosa. Reforma ou Revolução? São Paulo: Expressão Popular, 1999.
MARINI, Ruy Mauro. “Prologo” In: BAMBIRRA, Vania. La Revolución Cubana, una reinterpretación. México: Nuestro Tiempo, 1974.
______. El reformismo y la contrarrevolución (estudios sobre el Chile). México: Ediciones Era, 1976.
______. La acumulación capitalista mundial y el subimperialismo. Cuadernos Políticos, nº 12, México, D.F., abril-junio, pp.20-39, 1977.
______. América Latina: dependência e integração. São Paulo: Brasil Urgente, 1992.
______. Duas notas sobre o socialismo. Lutas Sociais, nº 5, p.107-123, 1998.
______. Subdesenvolvimento e Revolução. Florianópolis: Insular, 2014.
MARTINS, Carlos Eduardo. Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2011.
SANTOS, Theotônio. Teoria da Dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
SEABRA, Raphael Lana. La Alianza Bolivariana: el redescubrimiento del antiimperialismo en América Latina. Politeia, 36 (51), p.51-81, 2013.
SEABRA, Raphael Lana. La Política Obrera como prelúdio de la Teoría Marxista de la Dependencia in CRISTÓBAL CÁRDENAS, Juán y SEABRA, Raphael Lana (orgs.). El giro dependentista latino-americano. Mimeo, 2018.
WALLERSTEIN, Immanuel. “Dependence in an Interdependent World: The Limited Possibilities of Transformation within the Capitalist World Economy” In: African Studies Review, vol. 17, no. 1, pp. 1–26, 1974.
______. The capitalist world-economy. New York: Cambridge University Press/ Paris: Editions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1979.
______. Capitalismo Histórico e Civilização Capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.
______. “New Revolts against the System” In: New Left Review. London, nº18, p. 29-39, nov/dec, 2002.
______. O declínio do poder americano. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.
______. World Systems-Analysis. An introduction. Durham: Duke Universtiy Press, 2006.
______. Structural Crisis in the World-System. Where Do We Go from Here? Monthly Review, Volume 62, Number 10, p. 31-39, march 2011.