O conservadorismo e seus rebatimentos na educação brasileira

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raquel Dias Araujo
Karine Martins Sobral
Natália Ayres

Resumo

O conservadorismo tem servido de subsídio teórico-ideológico de sustentação para a política engendrada pela classe dominante no Brasil ao longo da história, assumindo características mais ofensivas em determinados períodos, com o intuito de naturalizar as desigualdades sociais, escamotear os conflitos de classe e produzir uma massa de seres não críticos. As ideologias conservadoras assumem características peculiares e impactos ainda mais desastrosos sobre a consciência da classe trabalhadora, seus direitos sociais e políticos. O presente trabalho tem como objetivo central analisar algumas políticas educacionais que compõem o arsenal de reformas da agenda conservadora para a educação, como o Programa Escola sem Partido e a Emenda Constitucional 95/2016.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Karine Martins Sobral, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Professora assistente da Universidade Federal do Maranhão – UFMA.

Natália Ayres, Instituto Federal do Ceará (IFCE)

Mestra em educação. Professora do Instituto Federal do Ceará – IFCE.

Referências

ARCARY, Valério. Um reformismo quase sem reformas: Uma crítica marxista do governo Lula em defesa da revolução brasileira. São Paulo: Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2011.
BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.
BOULOS, Guilherme. "A onda conservadora." In: DEMIER, Felipe & HOEVELER, Rejane (Orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.
BRAGA, Ruy. "A era da pilhagem." In: DEMIER, Felipe & HOEVELER, Rejane (Orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.
BRASIL. Lei 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
BRASIL. Emenda Constitucional 95/16. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em 16/07/2017.
________. Lei nº 13.415/17, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília, 2017. Reforma do Ensino Médio. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei 7180/14 (apensados PL 867/2015 e PL 7181/2014). Inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o "Programa Escola sem Partido". Disponível em: . Acesso em 16/07/2017.
________. Projeto de Lei 1411/15. Tipifica o crime de assédio ideológico e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
BURKE, Edmund. Reflexões sobre a revolução na França. Tradução José Miguel Nanni Soares. São Paulo: Edipro, 2014.
CAMPANHA NACIONAL PELO DIREITO À EDUCAÇÃO. Alerta: PEC 241/2016 retira direitos da sociedade brasileira na educação. 2016a. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
________. Entenda em 5 minutos a PEC 241. 2016b. Disponível em . Acesso em: 16/07/2017.
DEMIER, Felipe. "Introdução: O barulho dos inocentes: A revolta dos 'homens de bem'". In: DEMIER, Felipe & HOEVELER, Rejane (Orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.
FRIGOTTO, Gaudêncio. "Escola sem partido": imposição da mordaça aos educadores. 2016. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
GOMES, Pedro Henrique Oliveira. "Escolas sem partido" ou Pensamento Único? 2016. Disponível em: . Acesso em 16/07/2017.
KUENZER, Acácia. Pedagogia da fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. 1 ed. São Paulo: Cortez, 1985.
________. "O trabalho como princípio educativo.", Cad. Pesq., São Paulo (68), fevereiro de 1989. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
MANHAS, Cleomar. "Escola sem partido", escola silenciada. 2016. Disponível em: . Acesso em 16/07/2017.
MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. O manifesto do partido comunista. São Paulo: Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2008. (Coleção 10. Vol. 6).
________. A ideologia alemã. Tradução de José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. 10 ed. São Paulo: Editora Hucitec, 1996.
MÉSZÁROS, I. A Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.
PROGRAMA ESCOLA SEM PARTIDO. Então, para quê o Programa? Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
QUEIROZ, Fábio José de. "As inúmeras faces da violência ditatorial na América Latina.", Revista Dialectus. Ano 2. N. 7. Setembro-dezembro de 2015. Fortaleza, 2015. pp. 108-130. Disponível em: br/index.php/RevistaDialectus/article/view/233>. Acesso em 16/07/2017.
RAMOS, Marise Nogueira. "Escola sem partido": a criminalização do trabalho pedagógico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
SAVIANI, Dermeval. A Nova LDB: trajetória, limites e perspectivas. 5ª Edição. Campinas: Autores Associados, 1999.
SOUZA, Jamerson Murillo Anunciação de. "Edmund Burke e a gênese conservadorismo.", Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 126, pp. 360-377, maio/ago 2016. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2017.
SOUZA JUNIOR, Justino. A crise da escola. Fortaleza: Edições UFC, 2014.
TOJA, Luan. O mito do milagre econômico da ditadura militar. Disponível em: . Acesso em 16/07/2017.