Jorge Amado: do romance proletário ao romance histórico. Uma discussão sobre mediações da forma estética e conteúdo sócio-histórico

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

João Paulo Ferreira

Resumo

O presente trabalho pretende elaborar uma abordagem crítica acerca dos aspectos estéticos e políticos manifestos na literatura de Jorge Amado, detidamente as três primeiras obras do ciclo do cacau (Cacau, 1933; Terras do sem fim, 1943; São Jorge dos Ilhéus, 1944). Assim, pautaremos a nossa discussão partindo da especificidade de cada narrativa, como transfiguração de um conteúdo sócio-histórico determinado. Pois, a propósito de Cacau ser proletário, de Terras do sem fim ser a "épica" do "drama da conquista feudal" e São Jorge dos Ilhéus ser o "mesquinho" drama "da conquista imperialista" – como alerta o autor em suas notas introdutórias –, cremos que tais considerações perpassam pelo emergente debate de problemas sociais, políticos e econômicos do Brasil da década de 1930, constituindo, por seu turno, impasses da própria apreensão figurativa. Para fundamentar nosso trabalho, valer-nos-emos dos estudos de György Lukács (2009; 2011), Antonio Candido (1992), entre outros.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos
Biografia do Autor

João Paulo Ferreira, Universidade de Brasília - UnB

Mestrando em Teoria Literária e Práticas Sociais, pelo Departamento de Teoria Literária da Universidade de Brasília. Membro da Linha de Pesquisa Crítica Literária Dialética e do Grupo de Estudos Literatura e Modernidade Periférica.

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. Berno de. Jorge Amado: política e literatura – um estudo sobre a trajetória intelectual de Jorge Amado. Rio de Janeiro: Campus, 1979.
AMADO, Jorge. Cacau. 10. ed. In: . O país do carnaval; Cacau; Suor. São Paulo: Martins, 1961. pp. 145-283. (Coleção "Obras ilustradas de Jorge Amado")
________. Terras do sem fim. São Paulo: Martins, s/d.
________. São Jorge dos Ilhéus. São Paulo: Martins, s/d.
BERGAMO, Edvaldo. Ficção e convicção: Jorge Amado e o neo-realismo literário português. São Paulo: Unesp, 2008.
CANDIDO, Antonio. “Poesia, documento e história.” In: . Brigada ligeira e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 1992. p. 41-55.
________. “Literatura e subdesenvolvimento.” In: . A educação pela noite & outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.
DUARTE, Eduardo de Assis. Jorge Amado: romance em tempo de utopia. Rio de Janeiro: Record; Natal: UFRN, 1995.
FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil – Ensaios de interpretação sociológica. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
HEGEL, Georg W. F. Cursos de estética IV. Tradução de Marco Aurélio Werle e Oliver Tolle. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.
LUKÁCS, György. O romance histórico. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2011.
________. "O romance como epopeia burguesa." In: . Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009. pp. 193-241.
________. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
________. “Introdução aos escritos estéticos de Marx e Engels.” In: . Ensaios sobre literatura. Tradução de Leandro Konder. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. pp. 13-45.
________. Tolstoi y la evolución del realismo. In: Ensayos sobre el realismo. Buenos Aires: Siglo Veinte, 1965, pp.163-263.
MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. [4. Reimpr.]. São Paulo: Boitempo, 2004.
PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 2004.