Mais além da antropologia pós-estruturalista do desenvolvimento, de volta à teoria marxista da dependência

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alex Martins Moraes

Resumo

Os estudantes brasileiros de antropologia e áreas afins costumam entrar em contato com o debate acadêmico sobre desenvolvimento através de algumas obras canônicas enraizadas no pós-estruturalismo anglo-saxão de matriz foucaultiana. Surgidas nos anos noventa,logo após a queda do Muro de Berlim, estas obras caricaturizam a reflexão marxista e negligenciam completamente uma de suas expressões mais inventivas: a teoria marxista da dependência (TMD). Neste artigo, argumento que a relativa postergação da TMD acaba negando aos estudantes de graduação e pós-graduação em ciências sociais – e especialmente em antropologia – um sugestivo instrumental teórico que poderia ressoar criativamente em suas inclinações críticas. Na contramão desta tendência, proponho-me a reabilitar certas intuições da TMD que transcendem o terreno da economia política e convidam a um debate aprofundado sobre as condições de possibilidade de uma crítica imanente das estruturas de poder e dominação instauradas pelo desenvolvimento capitalista.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos